Lançamentos de 2014


Quatro livros novos para 2014, incluindo o primeiro romance adulto e a primeira edição fora do Brasil.   

FEVEREIRO

A Cabeça do Santo, pela Companhia das Letras

Imagem

JUNHO

Plantou Palavra, Colheu Poesia, pelo Armazém da Cultura 

Imagem

JULHO

Emília: a biografia NÃO autorizada da Marquesa de Rábico, pela Casa da Palavra 

Captura de Tela 2014-06-27 às 18.21.10

OUTUBRO

The head of the saint, pela editora inglesa Hot Key Books

Imagem

 (Já posso adiantar que em 2015 serão apenas dois lançamentos no mês de Junho. Mais notícias em breve.)

Prêmio Jabuti – meu quelônio Sebastião

No dia 17 de setembro abri a lista dos finalistas do Prêmio Jabuti, distraída, para localizar os nomes dos meus talentosos amigos, em vários gêneros.  Eu não poderia imaginar que eu encontraria, naquela preciosa seleção, o título do meu livro “Ela tem olhos de céu” no terceiro lugar da categoria infantil – a inscrição foi feita pela Editora Gaivota. Daí ao dia 17 de outubro, vivi um mês de alegria, expectativa e muita torcida. Ser finalista é bem legal, sim, mas eu queria o meu quelônio! E ganhei.

Na verdade, ganhamos eu, Mateus Rios e a Editora Gaivota. Sem as ilustrações incríveis do Mateus esse livro não seria o que é. Um ilustrador com olhar de cineasta é tudo do que eu precisava para compreender essa estória mágica.

O livro é uma estória do sertão do Nordeste, fala sobre a nossa delicada relação com água e a natureza. Ela não tem olhos de céu porque são azuis, mas porque fazem chover.  Essa obra é dedicada e inspirada na minha avó, Sebastiana Edite Acioli. A personagem tem seu nome. E meu Jabuti também: Sebastião.

O prêmio chega na hora mais certa possível, nos meus dez anos de carrreira. Nem cedo, nem tarde. E agora a responsabilidade aumenta muito. Seguirei na minha vida caseira,  terminando meu Doutorado, trabalhando, cozinhando e postando receitas no meu outro blog, lendo muito, pensando muito, demorando pra escrever, publicando com cautela, cuidando da casa, da minha família, trocando ideias com minha querida agente Lúcia Riff e trabalhando nos meus textos  com muito cuidado.

Obrigada a todos os parceiros profissionais que estiveram comigo até aqui.

Obrigada aos amigos e familiares que deixaram os seus parabéns de inúmeras maneiras.

Obrigada aos santos e orixás que tomaram esse prêmio nas mãos para me dar.

Segue, abaixo, a lista do histórico de vencedores do Prêmio Jabuti na categoria Livro Infantil de 1959 a 2013. É uma honra fazer parte dessa constelação.

———————————————————————————————

 

1959
Aventura na Roca – Renato Sêneca Fleury
1960
Villa-Lobos, Alma Sonora do Brasil – Arnaldo Magalhães de Giacomo
1961
Não houve premiado
1962
O Circo – Jannat Moutinho Ribeiro
1963 
 Aventuras de Eduardo – Elos Sand
1964
O Cachorrinho Samba na Rússia – Maria José Dupre
1965
Zuzuquinho – Wanda Myzielsky
1966
Joana – Mauricio Goulart
1967
Não houve vencedor
1968 
Encanto e Verdade – Thales de Andrade
1969 
Aventuras de Dito Carreiro – Jannart Moutinho Ribeiro
1970
O Menino Mágico – Rachel de Queiroz
1971
Soprinho – Fernando Lopes de Almeida
1972
Tonzeca, O Calhambeque de Nhoton – Camila Cerqueira César
1973
Os Colegas – Lygia Bojunga Nunes
1974
Lendas Brasileiras – Maria Thereza Cunha de Giacomo
1975
A Vaca Proibida – Edy Lima
1976
Cem Noites Tapuias – Ofélia Fontes e Narbal Fontes
1977
Os Rios Morrem de Sede – Wander Piorai
1978
História Meio ao Contrário – Ana Maria Machado
1979
Uma Estranha Aventura em Talalai – Joel Rufino dos Santos
1980
La de Umbigo – Elvira Vigna
1981
As Muitas Mães de Ariel – Mirna Pinski
1982
Vovô Fugiu de Casa – Sérgio Caparelli
1983
A Vaca Mimosa e a Mosca Zenilda – Silvia Orthof
1984
O Homem do Violão Quebrado – Camila Cerqueira César
1985
Terra sem Males – Luis Galdino
1986
O Fantástico Mistério da Feiurinha – Pedro Bandeira
1987
A Velha Fridela – Maria Heloisa Penteado
1988
Aos Trancos e Relâmpagos – Vilma Áreas
 
1989
Alguma Coisa – Ricardo Azevedo
1990
Uma História de Rabos Presos – Ruth Rocha
1991
Poemas para Brincar – José Paulo Paes
1992
Não houve vencedor
1993 
Caixa Postal 1989 – Ângela Carneiro
1994
Ana Z aonde vai Você – Marina Colassanti
1995
Carta Errante / Avó Atrapalhada / Menina Aniversariante – Mirna Pinsky
1996
A Cristaleira – Graziela Bozano Hetzel
1997
Esta Força Estranha – Ana Maria Machado
1998
As Fatias do Mundo – Nilma Gonçalves Lacerda
1999
A Outra Enciclopédia Canina – Ricardo Azevedo
2000
1 – A Revolta das Palavras – José Paulo Paes
2 – ABC Doido – Ângela Lago
3 – Fiz voar o meu chapéu – Ana Maria Machado
2001
1 – Chica e João – Nelson Cruz
2 – De Cabeça pra Baixo – Ricardo da Cunha Lima
3 – Indo não sei aonde – Ângela Lago
2002
1 – Meninos do Mangue – Roger Mello
2 – O Fazedor de Amanhecer – Manoel de Barros
3 – O Tamanho da Felicidade – Angélica Bevilacqua
2003
1 – Bichos que Existem & Bichos que Não Existem – Arthur Nestrovski
2 – No meio da noite escura tem um pé de maravilha – Ricardo Azevedo
3 – Sebastiana e Severina – André Neves
2004
1 – Fábulas do Amor Distante – Marco Túlio Costa
2 – Contos de Enganar a Morte – Ricardo Azevedo
3 – Até o Passarinho Passa – Bartolomeu Campos de Queirós
2005
Muito Capeta – Angela Lago
2006
Um Garoto Chamado Rorbeto – Gabriel O Pensador
2007
1 – Lampião & Lancelote – Fernando Vilela
2 – João por um Fio – Roger Mello
3 – Felpo Filva – Eva Furnari
2008
1 – Sei por ouvir dizer – Bartolomeu Campos de Queirós
2 – O Menino que vendia Palavras – Ignácio de Loyola Brandão
3 – Zubair e os Labirintos – Jose Roger Soares de Mello
2009
1- A invenção do mundo pelo Deus-Curumim – Braulio Tavares
2- No risco do caracol – Maria Valéria Rezende
3- Era outra vez um gato xadrez – Letícia Wierzchowsky
2010
1- Os Herdeiros Do Lobo – Nelson Cruz
2- Carvoeirinhos – Roger Mello
3- A Visita dos 10 monstrinhos – Ângela
2011
1- Obax – André Neves
2- A Lua Dentro do Coco – Sérgio Capparelli
3- Psiquê – Angela – Lago
2012
1-Benjamim: poemas com desenhos e músicas – Biagio D’Angelo – Editora Melhoramentos
2 – O herói imóvel – Rosa Amanda Strausz – Editora Rovelle
3 – Votupira o vento doido da esquina – Fabricio Carponejar – Edições SM
.
.
2013

1 – Ela Tem Olhos De Céu – Socorro Acioli- Editora Gaivota

2 – Visita à baleia – Paulo Venturelli – Editora Positivo

3 – A ilha do crocodilo – contos e lendas do Timor Leste – Geraldo Costa –  Editora FTD

.

.

Fonte: http://www.premiojabuti.com.br

.

Eu e o Kobo

Comprei um Kobo como autopresente de aniversário esse ano, em fevereiro. Com um mês de uso intenso, já estou pronta para falar da experiência como feliz usuária de um e-reader. Escuto tantas perguntas e comentários que achei melhor escrever esse post a partir de algumas delas. Vamos lá:

1. Por que um e-reader?

Porque eu leio muito, uma média de 6 a 12 livros por mês, depende do tempo que tenho. Se eu fosse comprar essa quantidade de livros físicos mensalmente, eu teria que comprar, também, duas estantes novas por ano e um apartamento novo a cada três anos. Não dá. O principal motivo é esse.

2. Ah, mas eu gosto do cheiro do livro, do toque do livro, blá, blá, blá… 

Eu também, eu também, mas eu não posso me dar ao luxo de comprar o cheiro do livro, o toque do livro na velocidade do meu consumo. Pra quem compra um por mês até dá pra levar. Mas no meu caso, é difícil. Claro, vou continuar comprando livros físicos, mas só quando for uma edição que valha mesmo a pena. Se o interesse for no texto, sempre irei preferir um e-book. Outro problema: sou muito alérgica. Meu nariz não permite uma carreira como bibliófila, acumulando livros por todos os cantos. Tenho que mantê-los em estante fechada com porta de vidro e muitos cuidados.

3 – O que é melhor, um iPad ou um e-reader?

E-reader, sem dúvida. Para ler livros longos, o iPad é pesado, desconfortável para segurar por mais tempo e tem a luminosidade do monitor. Além de alérgica, sou fotofóbica. E além de cansar a vista , é cheio de distrações – ainda mais agora que o Facebook apita pra chamar a gente, só falta falar. Sou fã do iPad para muitas outras coisas, mas ler textos grandes com ele não dá pra mim.

4 – Qual o melhor, Kobo ou Kindle?

Primeiro, vamos deixar claro que eu vou falar do Kobo Glo e do Kindle Paper White, certo? Existem outros modelos de cada um, mas esses são os meus preferidos da categoria.

O Kobo é canadense. O Kindle é da Amazon, americana. São concorrentes e tem um funcionamento muito parecido (nesses dois modelos, especificamente). Se você quiser saber mais detalhes técnicos, sugiro esse vídeo que compara os dois de forma bem completa.

Na minha opinião de usuária comum, a decisão deve partir do tipo de livros que você pretende comprar. O Kindle é Amazon. Se lá tem o que você precisa ler, ele é o seu e-reader. Mas se você dá preferência aos livros em português, compre o Kobo. A venda pela Livraria Cultura vai garantir os lançamentos nacionais e bons descontos. Dá pra comprar livros internacionais na loja Kobo também.

5 – Por que você escolheu o Kobo?

Eu não escolhi o Kobo, eu só comecei por ele. : )  Na Livraria Cultura de Fortaleza tem um ponto de venda do Kobo, com demonstração e com a ajuda do Kobo Boy mais legal do mundo, o Dudu. Ele teve a maior paciência nas 487 vezes em que fui lá tirar dúvidas e testar o aparelho. Mas eu vou comprar um Kindle também, porque tenho lido bem mais em inglês. Imaginar um livro da Amazon na palma da minha mão em segundos é quase mágico. E, sim, vai ser o Kindle Paper White. Mas pretendo pedir a um amigo que vai para os Estados Unidos, aqui é muito mais caro.

6 – O que você considera melhor no Kobo?

Primeiro: ele é lindo. : ) : ) O meu é branco com azul, isso me deixa feliz. Segundo: é leve e grava mais de 1000 e-books nele. Levo para onde quiser, não pesa e garante boas horas de leitura enquanto a filha faz vôlei, no avião, na fila do banco. Terceiro: a luz. Ah, a luz. Não incomoda a vista de maneira alguma e funciona em ambientes totalmente escuros. Quarto: é funcional, organizado, fácil de usar, vem com um aplicativo de leitura bem legal que faz estatísticas de seu tempo de leitura, gráficos, concede prêmios divertidos, etc. Quinto: os e-books são mais baratos que os livros físicos. Sexto: eu estou conseguindo ler mais com o Kobo porque os livros chegam de forma mais fácil com ele. Sétimo: o dicionário automático é inacreditável. Basta pressionar a palavra e o significado aparece, no idioma que você quiser. Dentre outras vantagens.

7 – Você parou ou vai parar de comprar livros de papel? 

Não, de forma alguma. Mas sinto que estou lendo mais, gastando menos e acumulando menos em casa.

8 – Você não acha bobagem gastar dinheiro com isso? 

(Sim, eu ouvi essa pergunta na vida real)

A leitura é essencial na minha vida, sempre foi, sempre será. Sou uma profissional do livro. Respiro palavras. Não, não acho bobagem. Para quem não lê ou lê pouco (caso da pessoa que fez a pergunta), realmente não vale a pena. Mas para quem ama os livros, essa é só mais uma maneira de amar.

9 – Você não respondeu o que eu queria. E agora?

Deixe sua dúvida nos comentários. Se eu souber, responderei com o maior prazer. : )

Imagem

Ela tem olhos de céu

Amanhã será a vez do lançamento do livro “Ela tem olhos de céu” em Fortaleza. Publicado pela Editora Gaivota com ilustrações de Mateus Rios, esse livro conta a estória de Sebastiana, uma menina do sertão que tem uma conexão especial com o céu.
Quem comprar o livro ganhará um desses buttons ao lado, com frases e imagens da obra.
O evento contará com um bate-papo mediado pela jornalista Regina Ribeiro e pela blogueira Lara Frota, do blog Menina de Muitos Vícios.

Será no auditório da Livraria Cultura, a partir das 18h30.

Estou no Skoob

Estou no Facebook, Twitter, Instagram, tenho um blog de literatura e outro de culinária… mas disso vocês já sabem.

A novidade é que atualizei a minha página no Skoob e agora estou por lá também, sendo mais leitora que autora.

Hoje eu postei alguns dos livros que já li, aos poucos vou atualizando mais.

Gostei muito de ver o painel de rostos que já leram meus livros. Dá vontade de conversar com cada um. Acho que

por lá é capaz que eu consiga isso. Espero vocês.

Amar cadernos

Sempre que começo um projeto novo, a primeira providência é encontrar um caderno para ele. Como eu tenho mais projetos do que anos de vida (muito mais), a minha coleção de cadernos não para de crescer. Adoro o ritual de escrever o nome do novo livro na primeira folha, a data, dobrar o canto superior direito, anotar detalhes sobre como aquela ideia surgiu e registrar o passo a passo do trabalho. Tenho cadernos de cursos que fiz, de livros que nunca escrevi, de sonhos pela metade.

O caso é que agora já são muitos, ficam em uma prateleira na minha mesa de trabalho e eu sinto que preciso tirá-los daqui – especialmente os que eu já concluí, dos livros que publiquei e dos que nunca saíram do papel.

Decidi também que, a partir de agora, comprarei alguns Moleskines de reserva para os projetos do futuro. São muito mais fáceis de guardar, arrumar, carregar na bolsa. Esse rosa da foto foi o escolhido para o planejamento deste blog.

Minha outra paixão no mundo dos cadernos é a marca PaperBlanks ( o do Mozart, na foto abaixo). Descobri quando fui à Feira de Frankfurt, na Alemanha, que tem um espaço inteiro só para a indústria gráfica. Há também a Peter Pauper Press, que eu descobri quando ganhei um lindo world journal de presente da minha amiga Cristina. Esse seria para um diário de viagens, mas eu uso para anotar resenhas particulares dos filmes de que mais gostei – o que não deixa de ser uma viagem também.

Eu adoro as novas tecnologias, tenho aplicativos de escrita para iPad, mas para pensar meus novos livros, nada no mundo tem a delicadeza, charme e conforto de um caderninho novo. E vocês, também gostam de cadernos? Curtem escrever a mão?

Imagem